Páginas

21 julho 2013

Memórias De Uma Gueixa




Um romance fascinante, uma visita a tradicional cultura japonesa, seu relato tem início numa vila pobre de pescadores, em 1929, onde a menina de nove anos é tirada de casa e vendida como escrava. Pouco a pouco, vamos acompanhar sua transformação pelas artes da dança e da música, do vestuário e da maquilagem; e a educação para detalhes como a maneira de servir saquê revelando apenas um ponto do lado interno do pulso - armas e mais armas para as batalhas pela atenção dos homens. Mas a Segunda Guerra Mundial força o fechamento das casas de gueixas e Sayuri vê-se forçada a se reinventar em outros termos, em outras paisagens.

 Neste romance, a história de Chiyo Sakamoto é revelada. Nunca antes a vida particular de uma gueixa fora contada, exceto quando Sayuri decidiu já se fazer chegada a hora. Chiyo Sakamoto era uma doce menina, inocente como as demais meninas a viver entre pescadores. Com a mãe doente e o pai idoso o bastante para não dedicar o restante da vida a mais ninguém, a pequena japonesa, juntamente com a irmã mais velha, Satsu, não teria vez de sobreviver à própria mercê. Moradora de uma “casinha bêbada”, assim chamada devido ao seu aspecto ladeado, Chiyo, aos nove anos de idade, cruzou o caminho do homem que mudaria o seu destino. Ao trocar um olhar pela primeira vez com o Sr. Tanaka, a menina teve uma visão de segurança e esperança, enquanto que o homem nada via além de um belo par de olhos claros. Ou, talvez estivesse a ver o além desde o princípio.

O autor, Arthur Golden, apresenta-nos a beleza da cultura japonesa em uma trama de sensualidade e audácia. Através da história da pequena menina a tornar-se uma grande mulher, nos perdemos entre intrigas e desafios, reencontrando-nos apenas na força de Chiyo, que, após ser vendida pelo Sr. Tanaka ao Okiya Nitta – sendo Okiya o nome dado as casas nas quais viviam as gueixas –, teve de sufocar-se por inteiro para, aos poucos, fazer nascer seu novo eu: a gueixa Sayuri Nitta.   A palavra “gueixa” significa “artista”, logo, o treinamento árduo de uma aprendiz é composto desde a dança até o doce ato de servir chá. Ao ouvir que gueixas divertem homens, pode pecar quem as imagine como prostitutas. A bem da verdade, uma gueixa só vem a ter relação sexual com o seu Danna, que é o homem que se dispõe a sustentá-la pelo resto da vida. Para os demais homens, elas não passam de musas de inspiração, beldades sedutoras, companhias para casas de chá e festas.


No Okiya, moravam, Vovó que era a mais velha, Mamãe que controlava tudo e era a dona, Titia, irmã por adoção de nome, junto de Mamãe pela Vovó; além delas, criadas, a nova aprendiz, e a única gueixa da casa, Hatsumomo. A outra menina, um pouco desajeitada, se torna de início amiga de Chiyo, que lhe põe o apelido de abóbora, por ela ficar sempre com a língua para fora enquanto faz alguma coisa. Mas neste lugar tudo, o que se come, ou faz é cobrado; e Mamãe anota tudo. A dívida é paga quando a jovem aprendiz começa seus trabalhos como gueixa. Hatsumomo, não gosta de Chiyo, faz qualquer coisa para que ela seja expulsa  ou para que sua dívida aumente ainda mais.


Certa vez ela encontrou com o presidente na rua, ele se encantou com seus olhos e ela por ele.  Mas ela ainda é praticamente uma criança, e o que ela não sabia era que aquilo ia mudar sua vida para sempre. 

O autor,  escreveu o livro, como narrativa em primeira pessoa pela Chiyo, encarando a alma de uma mulher e expressou-se perfeitamente.



Filmado nos estados Unidos em 2005, no gênero drama, dirigido por Rob Marshall, em 2006 ganhou o Oscar nas categorias de melhor direção de arte, melhor fotografia e melhor figurino.

Este livros nos deixa o ensinamento  de como a paciência é a maior aliada da conquista. 



BOA LEITURA...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por comentar.

paginas